segunda-feira, fevereiro 28, 2005

Pensar?



Nos últimos dias tenho dado comigo a ver o que se passa por esta terra e o mais engraçado é a resposta ser sempre a mesma: NADA!
Agora temos mais uma edição de "A Poesia está na rua", onde de quando em onde se encontra um ou outro grupo a dinamizar um espaço. A outra coisa sobre a qual li no Jornal de Santo Thyrso, foi a apresentação de um livro que se intitula "Pensar Santo Tirso". É engraçado ver a intervenção da Câmara Municipal na apresentação deste livro. Os mesmos que têm vindo a negligenciar tendenciosamente o que realmente é Pensar Santo Tirso!
E mais não sei. Posso estar a omitir algum tipo de acção que entretanto tenha decorrido, mas... francamente, o que é que se passa com esta gente???? Já nem nos locais habituais se encontra com quem dar duas de treta. Até as pessoas que frequentam esses mesmos locais, ou frequentavam, estão saturadas de tudo ser sempre igual desde há anos a esta parte.
Aos Tirsenses que ainda têm algum sangue quente a correr nas veias, ACORDEM! É URGENTE!!!

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

Lua Cheia

terça-feira, fevereiro 22, 2005



... e o PS ganha as eleições democráticas com 45,05% dos votos...


Já comentei isto umas quantas vezes e não me canso de o fazer. Que diabo deu ao povo, que de um momento para o outro se estende numa febre de esquerda?
Este voto massivo não foi pelo Eng Sócrates nem pelo PS, e muito menos pelos ideais de esquerda. Foi antes anti-governo, com todas as implicações que isso possa trazer. Para o povo português, não importa como estamos nem onde. Não importa de onde vimos, nem qual é o nosso rumo, desde que não seja este. É nesta parte em que o naufrago não vê que estava quase na costa.
Não sou partidário nem pretendo. Mas gostava de entender como é possível eleger-se um governo com um líder que não é lider, um tal Eng que pouco fez enquanto ministro.
Gostaria de ter visto o Eng Sócrates a "conseguir" por ter tido um programa em que ele acreditasse, por uma campanha bem feita, com paixão pelos ideais e com ideias menos mastigadas. De todos os discursos e meios discursos que ouvi do Eng Sócrates, nenhum teve dois parágrafos com conteúdo. O Eng Guterres apareceu para dar o bom exemplo.
O que mais desolado me deixou, foi o discurso de vendedor que o Sr. Eng, futuro primeiro ministro de Portugal, proferiu quando saíram os resultados oficiais. As suas primeiras palavras foram "Finalmente conseguimos! Camaradas, finalmente conseguimos!" e prossegue falando para o partido em vez de falar ao país. A mensagem dedicada ao povo português, continua na mesma ambiguidade da campanha... novo rumo, mudança, confiança... Deprimente!
... por favor contratem alguém que escreva os discursos ao homem.

Acima de tudo, espero que gorvernem BEM, que sejam competentes! É do que precisamos. Todos nós. Portugal.

domingo, fevereiro 06, 2005

As esculturas de Santo Tirso

Escultura de Mario Staccioli


São cada vez mais as esculturas com que nos deparamos nos jardins e pracetas de Santo Tirso.
Constituem o espólio do Museu Internacional de Escultura Contemporânea e em cada dois anos lá aparecem mais algumas. Francamente gosto de quase todas, mas tenho alguns senãos em relação às ditas, o modo como são distribuidas, a informação disponível e o modo como a população as trata! Vamos então por partes:

O modo como são distribuidas
A meu ver, a maioria tem pouco espaço e fica-se com a impressão de que são um amontoado de esculturas plantadas sem propósito nos jardins do município.
Pergunto-me se esta disposição será permanente, ou se as esculturas que revelam um sério problema de espaço, o terão reservado algures em zonas por urbanizar ou em jardins por construir. Se assim é, porque é que as zonas de recente contrução não prevêm espaço para jardins? Não se deveria continuar a urbanização na mesma linha do centro?

A informação disponível
Um património como este deveria ter informação disponível em todos os locais turísticos de referência, mas essencialmente no local.
Como é possivel saber seja o que for sobre qualquer escultura que esteja exposta no dito Museu Internacional de Escultura Contemporânea, quando só algumas apresentam uma placa pequeníssima com a assinatura do autor? Não seria melhor ter essa mesma informação num prospecto onde aparecesse o curriculo do autor, a descrição da peça e o prémio atribuido?
A informação disponível que encontrei foi no site da Câmara Municipal, mas as esculturas não estão todas mencionadas.

O modo como a população trata as esculturas
Como se pode ver na fotografia no início deste post, há esculturas vandalizadas. Umas têm rabiscos, outras estão partidas... É lamentável esta falta de respeito!

É indiscutível que uma das bendeira de Santo Tirso é a qualidade de vida. E o referido museu só a vem complementar.
Deixo uma sugestão:
Já que é de todo o interesse que Santo Tirso continue a ser uma referência pela qualidade de vida que oferece, então façam por mantê-la nas novas zonas urbanas. Promovam os jardins, praças e parques. Ao mesmo tempo podem dar o espaço merecido a esse património fabuloso de esculturas. Desta forma, todos ganhamos.


quinta-feira, fevereiro 03, 2005

A Estação

Estação Nova


Sempre que por algum motivo vou lá baixo à estação, pergunto-me "Porque raio é que construiram isto?!?!"
Os acessos são hediondos: uma ponte inclinada, mal sinlizada e quem vem da cidade tem que ir dar a volta à rotunda para poder virar para a dita estação! Já para não falar que no caminho está a fabrica do Teles...
Depois do sol se pôr, a fábrica está fechada, deixando parte significativa do caminho sem vivalma. O sítio é escuro e perigoso, sem saída. Se algum doido resolve atacar as nossas filhas ou as nossas irmãs, como é que é? Não seria a primeira vez que tal acontece. Esta não é a primeira vez que se fala nisto. O que se fez? NADA!!!
Continuo a perguntar "Porquê?". A velha estação por sinal muito mais bonita, de muito mais fácil acesso, com um caminho (principalmente para quem vai a pé) muito mais agradável e menos perigoso.
Continuo sem entender o investimento desnecessário nesta obra, quando se poderia ter resolvido o problema da velha estação estar obsoleta com obras de reestruturação e aumento. Agora temos uma estação grande (como convém), semi-vasia, onde nem os serviços da própria CP ou REFER são prestados condignamente, e a antiga estação é mais uma casa vazia, deixada ao abandono.
Meus caros (e falo às entidades competentes nesta matéria), se usassem um bocadinho de imaginação, poderiam ter dado a chamada "volta ao texto" que a nossa Câmara Municipal tão bem conhece.

terça-feira, fevereiro 01, 2005

O Cartaz do Tribunal



É admirável o que se faz nesta terra quando pomos as nossas "crianças" a trabalhar. Os "meninos" da JSD tiveram uma iniciativa notável com o presente cartaz. Já se fala em arranjar o antigo cinema à anos e no entanto, assistimos à sua degradação contínua sem que nada seja feito.
A mobilização da população parece estar sempre fora de questão, dêm então voz a quem tem o que dizer! É preciso SIM um teatro e uma sala de cinema decente (já que a que existe é deprimente!!!).
É urgente travar a ida constante aos grandes centros aqui à volta (Porto, Braga, Guimarães...), já para não falar nos centros em desenvolvimento como é o caso de Famalicão e Trofa.
Os dois últimos em termos de cultura, têm neste momento o que nunca deveriamos ter deixado de ter: Cultura acessivel a toda a gente, que não sejam espectáculos de 5ª categoria que só existem para atirar areia á cara do povo.
É preciso que quem tem capacidades se una em prol de fazer o que anda estratégicamente esquecido. Se o contexto político vos dá voz, então seja! Mas não esqueçam que também existem outras formas de manifestação e reivindicação.
Aos "meninos" da JSD, continuem o bom trabalho!

Caros Tirsenses:



Este BloggSpot é um espaço aberto a todos os interessados na nossa queridíssima terra, mas que apesar do amor que por ela têm, têm também muito a dizer acerca do que se passa, do que não se passa e do modo como muitas vezes (senão sempre) são conduzidos os assuntos de maior interesse comunitário.
Não é de todo novidade que o crescimento fica muito áquem das potencialidades de Santo Tirso, que já foi ponto de referência nacional tanto pelo desenvolvimento industrial que teve, como pela floresta do monte da Nossa Senhora da Assunção, que era nos anos 60 e 70 considerada a "Sintra do Norte". Se recuarmos mais um bocadinho na história, encontramos a importância vital do Mosteiro Beneditino na evolução de toda a região.
Sem querer ficar preso no que fomos, parece-me de grande importância pegarmos no nosso passado para reconstruirmos o presente. É para que este tempo recomeçe que este espaço existe.
Divirtam-se!

Para mais informações ou sugestões pf contactar benedictus@tugamail.com